Home
Como emagrecer no inverno!
Compulsão,vício por doces!
Emagrecer usando sua imaginação!
Laudo para cirurgia bariátrica
Livro Pense Magro - Judith Beck
Pensemagro
Depoimentos
Orientação on-line !
Pense Magro
Quem Somos
A profissional
História de Sucesso - Rejane Sbrissa
Tabelas
Obesidade
Cirurgia Bariátrica,quando o que se perde é mais que apenas peso.
O que é?
Você sofre de obesidade?
Obesidade Infantil
Obesidade na Adolescencia
Nutrição
Disturbios Alimentares
Você se Conheçe?
Auto Imagem
Fome Fisica x Fome Emocional
Como Emagrecer
Diabetes
Orientação Nutricional
Testes
Adolescentes
Pronto para Manter o Peso?
Sua Auto Imagem
Você se conhece?
Receitas Pense Magro
Fale Conosco
 
Disturbios Alimentares - Anorexia nervosa

É muito bom redescobrir os formas do corpo à medida que o ponteiro da balança começa a descer, mas tem gente que, mesmo sem nunca ter sido gorda, alimenta um desejo obsessivo de ficar magérrima!

O problema é que essas pessoas não ficam só na vontade de emagrecer. Elas desenvolvem um tipo de rejeição à comida que as faz perder o controle.

Isso é a anorexia nervosa, uma disfunção que pode aparecer sozinha ou em parceria com a bulimia (compulsão pela comida, seguida de culpa que faz a pessoa utilizar métodos de expulsão do que comeu, de seu corpo).

A rejeição à comida (anorexia, com incidência de 1%) é classificado como um transtorno alimentar e suas vítimas são quase sempre (95% dos casos) mulheres jovens, de 15 a 20 anos, excessivamente preocupadas com a aparência e mais sensíveis às influências dos padrões de beleza em vigor para firmar sua personalidade. A doença também ataca mulheres na faixa dos 30 e raramente as acima dos 40.

Porém não quer dizer que a adolescente que adora estar na moda esteja sujeita a manifestar o problema.

É necessário ter uma tendência genética ou psicológica, com traços de depressão ou comportamentos obsessivos. Por outro lado, encontram-se maiores propensões ao problema em modelos, aeromoças, bailarinas e ginastas olímpicas, profissões em que a aparência é extremamente importante.

Um dos primeiros sintomas são a perda da noção que a pessoa tem da sua imagem corporal, mesmo magra ela se vê gorda, acredita que precisa emagrecer ainda mais, e que o melhor jeito é parar de comer.

Normalmente essas mulheres não acreditam que este medo de engordar possa ser sinal de alguma disfunção.

A prática mostra que uma das partes mais difíceis do atendimento para tratar a anorexia nervosa é convencer a pessoa de que ela está doente.

As pacientes escondem a doença por medo ou vergonha de pedir ajuda (isso as que já assumiram que estão doentes, pois em nossa cultura é tão normal um mulher fazer "dieta alimentar", que fica difícil saber quando isso já virou doença).

Normalmente, essas pessoas só são levadas à tratamento quando anorexia já está em nível elevado, ou seja, quando os sinais já são perceptíveis, quando o emagrecimento já é exagerado, aí é que os parentes (pois a pessoa não se vê tão magra) ou amigos próximos percebem que já ultrapassou o limite do normal.

A família sempre deve insistir no tratamento mesmo que a doente queira parar.

O atendimento especializado é a única saída para controlar o problema antes que o corpo exija atendimento médico por causa de uma emergência. Sem tratamentos, a anorexia nervosa:
  • Desgasta emocionalmente 
  • Debilita os órgãos 
  • Provoca distúrbios associados à desnutrição 
  • Lesa o aparelho digestivo quando há vômitos constantes 
  • Provoca arritmias cardíacas 
  • Pode ser responsável por hemorragias digestivas 
  • Pode matar (taxa de mortalidade é cerca de 15%) 
  • Nas adolescentes, os principais sinais da anorexia são o enfraquecimento, a perda de peso visível e a ausência de menstruação.

Tratamento

Rehidratar o organismo, recomeçando a alimentação à base de soros e líquidos (o estômago reduzido por não comer há tempos não suporta alimentos sólidos)
  • Introduzir gradualmente alimentos pastosos até chegar aos sólidos 
  • A pessoa também vai precisar reaprender a conviver com os outros durante as refeições, entrar em supermercados, fazer compras, ir à festas, participar dos almoços com a família, enfim, voltar a lidar com o lado social da comida.

Quanto à internação, ela só é feita em casos que já estão muito graves, com perigo de morte (arritmia cardíaca, vômitos espontâneos). Para os demais casos ela deixou de ser recomendada porque tira o paciente da vida social, o que dificulta ainda mais a sua readaptação.

A psicoterapia é muito importante para a eficácia do tratamento. Através dela a pessoa vai alterar os hábitos adquiridos e voltar a comer.

É recomendado também que a família do paciente participe de sessões de terapia familiar em grupo para auxiliar a paciente em seu ambiente.

Sintomas
  • Preocupação excessiva com a alimentação. A pessoa passa a maior parte do tempo pensando no medo de engordar 
  • Sensação intensa de culpa e uma ansiedade desproporcional por eventualmente ter saído um pouco da dieta 
  • As pessoas dizem que você está muito magra, suas roupas estão cada vez mais largas, mas você não se acha magra e ainda quer perder peso 
  • Menstruação irregular, ou não existente

OBS: se você se identificou com um desses tipos, consulte um médico psiquiatra ou endocrinologista.

As estatísticas revelam que 90% dos pré-adolescentes com problemas de bulimia e anorexia são filhos de pais obesos ou excessivamente preocupados em emagrecer.
 
(Mauro Fisberg, nutrólogo (SP))
 
Anorexia nervosa
Bulimia nervosa
Comer-compulsivo
 
 
 
 
 
Pense Magro - pensemagro@pensemagro.com.br - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por Tudonanet